Zuccardi Q Merlot 2003

zuccardi_q_merlot_2003Tive a oportunidade de provar alguns vinhos da linha da Zuccardi em uma degustação na ABS-SP. Pude notar que eles produzem vinhos muito bons (os tops de linha) e vinhos realmente para o dia a dia (os mais básicos).

Sendo assim, busquei no mercado alguns outros que eu não tinha provado ainda, pra poder completar a minha opinião sobre a vinícola.

E foi assim com esse Merlot 2003, da linha Q. Ah, importante contar que a Família Zuccardi coloca “letras” nas linhas de vinhos. Você vai encontrar então vinhos da linha “Série A”, que são os mais básicos, “Q”, que são os vinhos considerados reserva, que passam por um tratamento melhor e os “Zeta”, que são os tops de linha.

Esse que eu provei, da série Q, não é feita todos os anos. A última safra foi essa, a de 2003.

Então vamos falar sobre o vinho: Na taça, uma coloração cereja com reflexos atijolados, demonstrando uma boa evolução. No nariz, bastante fruta negra e vermelha em compota. Notei também alguns aromas de madeira e chocolate, que depois de algum tempo aerado, predominaram na taça.

Importante ressaltar que esse vinho pede um tempo de aeração. No começo mostrou-se um pouco duro e bastante adstringente, mas melhorou muito com o tempo.

Na boca, taninos suaves e um pouco de álcool sobrando, mas com um final longo.

O “problema” é que esse vinho é vendido a mais ou menos R$ 95,00. Um pouco proibitivo para um vinho argentino. É um bom vinho, feito com muito esmero, mas que poderia ser mais barato.

Estava sendo importado pela Expand, mas pelo que fiquei sabendo, está mudando de importadora. Então nos resta aguardar pra saber onde comprar.

Um abraço

Daniel Perches

You Might Also Like

2 Comentários

  1. 1

    Confrade,

    A sua avaliação está correta porque já provei o Q Merlot 2003 várias vezes e a última delas em dezembro de 2007, na própria vinícola. Lá, fui informado de sua descontinuação e no importador atual (www.ravin.com.br) ele já não é comercializado. Suspeito que um dos motivos de sua não produção é porque era o mais fraquinho da linha “Q”, que tem um tempranillo que já foi considerado um dos melhores produzidos fora da Espanha, um cabernet que esbanja tipicidade e um malbec dentro da melhor tradição argentina na elaboração de vinhos dessa uva. Também vou emitir o meu ponto de vista: a merlot e a sauvignon blanc são duas uvas que não se destacam no contexto da produção platina. Um dos únicos merlots que gostei foi o Achaval-Ferrer. Qto. à sauvignon blanc já há alguns produtores fazendo bons vinhos, mas ainda longe do nível daqueles produzidos do outro lado da cordilheira.

    enoabraço

    Jeriel

  2. 2

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>