Vinícolas do Uruguai – H. Stagnari

Que o Uruguai tem vinícolas bem interessantes, já sabemos. Tenho falado frequentemente aqui sobre isso. Mas há algumas que têm histórias bem particulares e que merecem uma boa atenção, como é o caso da H. Stagnari (o H é de Hector, o proprietário). Essa é uma vinícola familiar e que faz questão de manter suas tradições tanto na vinificação quanto no formato de receber os turistas.

A H. Stagnari possui vinhedos em Salto, que dizem que foi onde foram plantadas as primeiras uvas de Tannat no país. Seus proprietários têm um carinho especial por essa terra e cuidam muito bem de lá.

E quem visita a bodega pode perceber isso traduzido em vinhos fortes, encorpados, intensos e de grande caráter. Principalmente os tintos precisam, quase que obrigatoriamente, de uma boa carne, mas isso você encontra por lá mesmo, no restaurante que eles têm, totalmente tematizado e que serve um belíssimo asado (o churrasco).

Para conhecer e entender as raízes do vinho uruguaio, a H. Stagnari é uma boa referência. Abaixo conto um pouco sobre os vinhos que provei em minha visita à vinícola.

Chardonnay “de Virgínia” 2015
Não tem madeira, mas a uva fica em contato com a pele por um bom tempo, deixando o vinho diferente. Esse contato deixa o vinho um pouco mais “cremoso”, mas não fica pesado. O final é bem intenso e sente-se o vinho na boca por um bom tempo.
O nome é em homenagem à esposa do proprietário da bodega.

Tannat Premier 2015
Vinho super macio,com toques inclusive amadeirados (apesar de não ter passado por madeira). Não é super longo mas fica um bom tempo na boca. Tem até um toque adocicado.

Gran Guarda 2014
Um corte de Tannat 65%, Cabernet Sauvignon 35%.
Dá para perceber bem a barrica neste vinho. Toques de chocolate e defumado. Final mais longo.

Tannat Viejo 2012
É o que ganhou um Top5 do Encontro de Vinhos.
12 meses em barrica e já está um pouco mais evoluído e com um pouco menos de corpo, o que deixa ele mais fácil de beber. Não espere um Tannat tão encorpado.

daymanTannat Viejo 2013
Parece que tem mais tanino e acidez e mais concentração. Vinho ainda jovem e que pode evoluir um pouco, mas não é para guardar muito.

Dayman Tannat 2013
Nome por conta do rio que passa ao lado do vinhedo (Rio Dayman). Tem uns toques mais adocicados que deixam o vinho mais domado. Com muito tanino e boa acidez. Vinho para guardar.

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>