Vinícola Alta Vista (e sua alma francesa)

Em minha última viagem à Mendoza, a vinícola AltaVista foi incluída no roteiro. Eu já havia estado lá um ano antes, provado os vinhos e até entrevistado o enólogo. Achei que não teria mais nada de “novo” para se ver.

E foi aí o meu engano. É fato que as instalações continuam as mesmas e alguns vinhos eu já conhecia. Mas além de eu provar vinhos novos, como o ícone deles, o Alto (falo daqui a pouco sobre esse vinho, é só descer um pouco o texto), eu tive o prazer de ir para lá de bicicleta.

Sim, meus amigos. Em Mendoza (e isso é relativamente comum em regiões vinícolas), há ciclovias que circundam vários vinhedos. Você pode alugar uma bike e sair pedalando e parando nas vinícolas, provando o vinho e depois partindo pra outra.

E a AltaVista é uma excelente parada. De proprietários franceses (são sócios da Taittinger, na França), a vinícola tem alma daquele país. É claro que não esqueceram o terroir argentino, produzindo vinhos fortes, encorpados e bem estruturados, mas ao mesmo tempo dá pra ver que há um certo toque mais delicado, aveludado e complexo nos vinhos deles.

Provei o Alta Vista Premium Torrontes 2011, que é um vinho dourado, com aromas bem típicos, leve herbáceo e terroso,  boca bem presente, acidez na medida, final bom e marcado. Depois provei o Alta Vista Terroir Selection Malbec 2008, que é um vinho feito com uvas vindas de 4 terroirs distintos. Tem um toque floral, chocolate e com um toque de amargor no final, mas nada que compromete.

O Alta Vista Single Vineyard Temis Malbec 2007 é um vinho feito no Valle del Uco, que tem leve toque adocicado, fruta em calda, chocolate, madeira bem presente e muito corpo, bons taninos mas um leve álcool sobrando.

Pra mim o top mesmo foi o Alta Vista Alto 2007, que é o vinho ícone. Feito com 70% de Malbec de Agrelo e 30% de Cabernet Sauvignon de Temis (que fica até perto). passa por 18 meses em barrica e mais 18 em garrafa. Muito intenso na cor. Aromas doces, mas muito delicados e complexos. Cereja, chocolate, fumo, leve carne, Taninos ainda muito jovens. Precisa de comida com gordura.

Gostou? Que tal então passear em Mendoza de bike? Se você ainda não fez esse tipo de passeio, eu recomendo fortemente. É muito gostoso pedalar, sentir a brisa leve, poder ver os vinhedos mais de perto, sentir o caminho. É claro que aqui cabe a recomendação de moderar na bebida e usar sempre protetor solar, porque senão a sua viagem com certeza acabará no dia seguinte.

Um abraço

Daniel Perches

 

You Might Also Like

3 Comentários

  1. 1

    Já bebi o Alto 2006 e amei o vinho! Um aroma delicioso, diferenciado e um pouco diferente de outros argentinos de renome. Muito saboroso na boca também.
    Depois dos seus elogios ao Alto 2007, terei de comprar uma garrafa desta nova safra…

  2. 2
  3. 3

    E aí Grigor, continua pelo visto apreciando um bom vinho, hein? Este por sinal é um dos melhores, eu acho.

    Mas aqueles em Portugal, em junho de 2.013, foram em geral bem bons, sobretudo na Herdade dos Esporões.

    Consegui achá-lo neste blog casualmente, e se vc puder mande-me um e-mail para estabelecermos contato.

    Abraço.

    Luiz Fernando Willcox (Niterói, RJ)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>