Vinho grego feito com Riesling e Lagorthi

Eu sempre simpatizei com vinhos gregos e não sei bem porquê. Não dá nem pra dizer que foi por conta de algum dia especial ou algum vinho fantástico que eu bebi. Nenhuma das duas opções seria verdadeira e pra falar a verdade, a maioria dos vinhos daquele país que eu bebi foram medianos. Mas talvez seja algo que esteja além desses fatores. Vai saber.

Fato é que quando eu tenho a oportunidade de provar um vinho grego, não hesito. Vou rapidinho. E desta vez vieram quatro numa tacada só, na caixa de vinhos da Winelands, o clube de vinhos que eu assino. Resolvi começar pelo branco chamado Atelier, feito com uma uva conhecida, a Riesling e outra que eu nunca ouvi falar, a Lagorthi.

atelier_white

Não sei bem as características dessa segunda uva, mas o fato é que o vinho ficou bem interessante. Ele é um riesling mais leve, sem aqueles aromas tão “petroláceos” (gostou da palavra?) que a gente conhece, como borracha. Esse é mais no estilo de flores e frutas brancas. Ficou ótimo com uma massa com recheio de queijo de cabra e também com o aperitivo, que era um queijo Gruyere.

Esse vinho deve custar em torno de 50 reais.

Um abraço

Daniel Perches

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>