O vinho em lata chegou para ficar

Se você ainda não provou o vinho em lata, não perca tempo. Tire o preconceito e vá fundo. O pior que pode acontecer é você não gostar do vinho, mas eu já provei vários e garanto que tem alguns bem legais por aí.

E na esteira desta tendência, nasce a Lovin’ Wine, nova marca brasileira de vinho em lata. Fabricado na serra gaúcha e comercializado exclusivamente online, a Lovin’ nasceu como produto digital e está à venda no e-commerce próprio da marca: http://www.lovinwine.com.br.

A Lovin’ é uma startup de vinhos e chega ao mercado sob o modelo DNVB – Digitally Native Vertical Brand, ou marcas verticais digitalmente nativas, em tradução livre. “A marca nasce 100% digital e verticalizada. Fazemos todo o processo, desde a produção até a entrega para o cliente. E a tecnologia é usada para escalar o negócio. Queremos provocar uma ‘disrupção’ no mercado de vinhos ao propor para os clientes uma nova forma de se relacionar com a bebida”, explica João Paulo Sattamini, CEO da Lovin’.

Além de Sattamini, a Lovin tem como sócios Eduardo Glitz, André Picolli, Daniel Skowronsky, Régis Montagna, Fernando Kwitko e Rudimar Pascoal. Já que a Lovin’ é uma DNVB, a estratégia foi toda pensada para ser online. Além das vendas, todo o relacionamento com clientes e a estratégia de construção da marca também acontecem no ambiente virtual. Sattamini explica:

– O modelo DNVB foi adotado devido a tendência de transformação digital da economia, a chamada nova economia. O contato direto com o consumidor permite o aprendizado e um relacionamento diferenciado. Isso pode ser escalado com dados e tecnologia, tornando-se uma empresa exponencial.

Segundo Glitz, a proposta da marca é quebrar as formalidades que ainda existem em torno do ato de beber vinho. A bebida vendida em lata já circula desde 2004 nos Estados Unidos, mas a partir de 2012 o mercado começou a entrar em franca ascensão. Tanto é que em 2018, mais de US$ 60 milhões foram movimentados no consumo de latas de vinho. No Brasil, o mercado ainda engatinha e ganha na Lovin’ a única alternativa disponível 100% online. Glitz explica o papel que a marca pretende desempenhar:

– Existem muitas coisas complicadas na vida. Beber vinho não precisa ser mais uma delas. Propomos menos formalidades e protocolos, mas sem perder a qualidade. Com ou sem taça, com ou sem gelo, na praia, na piscina, como e quando você quiser.

Segundo a Sattamini, a escolha pela lata, além de todos os elementos apresentados, passa por uma ideia de identidade de marca e uma compreensão mais ampla da responsabilidade social que a iniciativa privada tem para com o mundo. “A lata, além de prática, é a embalagem mais sustentável do mercado. No Brasil, por exemplo, a taxa de reciclagem é de 98% e mais de 600 mil famílias vivem da reciclagem deste material no país”, explica.
Cada latinha de Lovin’, de 269 ml, chega ao mercado em duas versões: Branco e Rosé, dois vinhos de alta qualidade, levemente gaseificados, com fermentação natural e que devem ser bebidos gelados. O primeiro, o Premium White Wine, conta com aromas e sabores refrescantes de frutas cítricas e brancas. Já o segundo, o Premium Rose Wine, que traz aromas intensos de frutas frescas de casca avermelhada, com mais do que um toque floral de rosas. Ambos possuem teor alcoólico de 9,5% e são produzidos no Vale Trentino, na cidade de Farroupilha, no Rio Grande do Sul. O valor do pack com quatro latas é de R$ 79,60.

Crédito fotos : Diego Larré

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>