Intipalka Reserva Cabernet Sauvignon – Syrah 2008

Intipalka significa “Vale do Sol” em quechua, o idioma utilizado na época do Império dos Incas. Não poderia ter um nome melhor (ou ser escrito em um idioma melhor) para retratar a peculiaridade da procedência desse vinho, afinal de contas, não é sempre (e no meu caso foi a primeira vez) que se bebe um vinho peruano.

E engana-se quem pensa que lá não há tradição vinícola. O Peru já foi grande produtor e exportador de vinhos para a Espanha. Esse raro (pelo menos por aqui) exemplar veio através do meu amigo Beto Duarte (do blog Papo de Vinho), que encomendou diretamente de uma amiga que estava a passeio por aquele país.

O vinho é surpreendente não só pelo país, mas pela sua qualidade mesmo. Ele foi provado às cegas depois de uma degustação de Zinfandel, junto com vários degustadores experientes. Eu já sabia qual era o vinho, mas mesmo assim eu fiz a minha análise sem qualquer preconceito.

Preconceito que aliás não existiu lá no dia. Todos elogiaram muito o vinho, que realmente é muito elegante. No nariz apresentou um ótimo aroma de frutas vermelhas mescladas com toques de caramelo. Na boca os seus taninos foram bem macios e mostraram uma elegância que não se encontra em muito vinho europeu.

É, o mundo do vinho tem dessas coisas e nos traz, muitas vezes, boas surpresas com essa. Então se você for ao Peru, não deixe de provar os vinhos deles. Pode ter também uma bela surpresa. E se quiser uma indicação, procure esse e outros da Bodega Santiago.

Um abraço

Daniel Perches

You Might Also Like

6 Comentários

  1. 1
  2. 2
  3. 3

    Sinceramente, foi uma surpresa muito agradavel a degustacao desse exemplar peruano. Tive a felicidade de poder degusta-lo em Lima e poder trazer dois exemplares para presentear amigos, alem de outro, e claro, para me recordar dos bons momentos naquele pais. Vale muito a pena conferir esse bom vinho produzido pelas Vinas Queirolo, em Ica, no Peru. Abracos.

  4. 4

    Bom saber que temos mais apreciadores dos vinhos peruanos por aqui. Quem sabe um dia não chega pra gente por algum importador, não é mesmo?
    Abraços
    Daniel

  5. 5

    Daniel,

    Quem for para lá não deve deixar de provar (e trazer) os Tacama Gran Blanco e Blanco de Blanco, são vinhos relativamente simples, mas uma grande surpresa em termos de qualidade e custo/benefício. Pena que nenhum importador tenha se interessado por eles.
    Abs.,
    Guilherme

  6. 6

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>