Famiglia Bianchi Cabernet Sauvignon 2006

Esse vinho argentino fez parte do painel de degustação para a eleição dos top5 do Encontro de Vinhos. Ele foi enviado pela Mr.Man, que levou não só ele, mas outros rótulos muito interessantes para o evento.

Tive a oportunidade de provar e me interessei por algumas características dele. Em primeiro lugar, sua graduação alcoólica: 14,8! Sim, é fato que estamos vivendo uma era de vinhos mais alcoólicos e principalmente na argentina, que tem um clima favorável a isso. Mas 14,8% é bastante, independente de qualquer julgamento.

Mas vamos ao vinho, que é o que interessa. Esse vinho, apesar de ostentar “Cabernet Sauvignon” em seu rótulo, tem algumas outras uvas. São 86% de Cabernet Sauvignon, 10% de Merlot, 3% de Malbec e 1% de Syrah. Mas é claro que a predominância da Cabernet se mostra tanto nos aromas quanto em boca.

Com uma coloração rubi bastante intensa e intransponível, mostrou-se bem encorpado e no auge de sua maturidade.

No nariz apresentou aromas tímidos de frutas negras com um leve toque adocicado. O vinho me pareceu um pouco “fechado” ainda, ou seja, seus aromas não estavam todos sendo exibidos. Talvez com algum tempo de aeração isso melhore.

Em boca a sua graduação alcoólica apareceu, mostrando um vinho quente, mas com bons taninos (embora ainda um pouco jovens), boa acidez e final relativamente longo e sem amargor.

Um vinho muito correto e que me chamou a atenção pela sua estrutura. Não há indicação de “reserva” ou algo parecido, mas me pareceu um vinho que pode ser guardado ainda por uns 2 anos e que vai melhorar. Vale a pena provar um agora e guardar outro (se conseguir).

Não sei o preço exato, mas na Mr.Man você consegue mais informações. Sei que é um vinho que tem um custo bem acessível.

Um abraço

Daniel Perches

You Might Also Like

4 Comentários

  1. 1

    Oi Daniel,
    Realmente estamos vivendo a era dos vinhos alcoólicos e super-frutados! Como sou totalmente francófilo tenho muita restrição a alguns vinhos que a Argentina e o mundo vêm produzindo, mas confesso que adoro o polêmico Yacochuya com seus 16,2% de álcool, pois, apesar disto, é muito equilibrado.
    Obs.: Degustei os Tokaj no Decanter Wine Show. O 6 Puttonyos é maravilhoso, mas o Esszencia é a dádiva dos deuses!!!

    Abç,

    Claudio

  2. 2

    Claudio, não conheço o Yacochuya, apesar de já ter ouvido falar. É da Gran Cru, né?
    Vou ver se consigo passar lá pra comprar uma garrafa.
    Tento até nem comentar muito sobre os Tokaji, porque pra mim, são verdadeiros nectares!!! rsrs

    Abraços
    Daniel

  3. 3

    Oi Daniel,
    Sim, o vinho é da Gran Cru. O problema é que na importadora a safra mais barata custa R$ 232,00 e na Argentina + ou – R$ 120,00 🙁
    Vale a pena experimentar também o segundo vinho da vinícola, San Pedro de Yacochuya, pois o mesmo é tão bom quanto o primeiro e custa 1/3 do valor.

    Abç,

    Claudio

  4. 4

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>