DO 12 uve Il Paradiso di Frassina 2005

Outro dia um colega blogueiro me fez uma pergunta interessante: “Qual o vinho que você já bebeu com a maior quantidade de tipos de uva?”.

Em geral, nós estamos acostumados a ver cortes com 2, 3, até 5 uvas. Mas quando nos deparamos com um vinho que é composto por 12 castas diferentes, realmente dá vontade de provar.

E foi assim que eu conheci o DO, da vinícola Paradiso di Frassina. Como já comentei aqui sobre outro vinho deles, o produtor costuma levar música o tempo todo para os vinhedos, pois acredita que assim as plantas vão ficar mais felizes e produzir melhores frutos.

Continuo sem ter certeza sobre essa teoria, mas uma coisa é certa: esse vinho é muito bom!

Quere saber as uvas? Vamos lá: Brunello e Morellino (25%), Cabernet Sauvignon (20%), Cesanese d’Affile (10%), Syrah (10%), Petit Verdot (8%), Merlot (6%), Ancellotta (6%), Alicante Bouschet (5%), Cabernet Franc (4%), Tannat (3%), Canaiolo (3%).

Bastante coisa, hein?

O resultado disso tudo é um vinho com uma coloração rubi profunda, com um leve halo de evolução.

Os aromas são muitos, passando por frutas vermelhas em compota, aromas terrosos e também defumados. O interessante é que os aromas iam e voltavam, fazendo como se fosse um rodízio. A cada vez, algo diferente.

Em boca, muita maciez. Seus taninos são de ótima qualidade e seu final é longo e bem marcante. Um vinho de muito caráter.

Deve acompanhar bem uma boa comida e ser degustado calmamente, deixando-o evoluir em taça, para que libere todo o seu bouquet. Acredito que carnes assadas sejam um bom par para ele.

Importado pela Santa Ceia, não é um vinho barato, mas vale a pena. Eu recomendo.

E agora já sabem qual é o vinho que eu provei que tem mais castas diferentes em sua produção. E você, já provou algum vinho assim? O que achou?

Abraços

Daniel Perches

Abaixo você vê o contra-rotulo do vinho, com as informações sobre as uvas.

You Might Also Like

6 Comentários

  1. 1
  2. 2

    Daniel, dentro daquela “discussão” que tivemos com o mesmo blogueiro, que achou interessante eu usar o termo TRIVARIETAL, esse vinho que você provou seria, então, um DODECAVARIETAL.

    Nome legal, não?

    Saúde!

  3. 3

    Rodrigo

    Não tenho muita dúvida de que tenha até mais do que 20… Eu acho isso fantástico.
    E no final das contas, o que vale mesmo é se o vinho é bom ou não, independente das uvas que ele contém, não é verdade?
    Um abraço
    Daniel

  4. 4
  5. 5

    Daniel,

    Em resposta recomendo o Wolftrap Blend, com 4 castas no corte. Cinsault, Morvèdre, Syrah e Viogner. É Sul Africano, e apesar de tê-lo degustado há uns 3 anos, ficou na memória como um bom vinho.

  6. 6

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>