Decantar ou não decantar, eis a questão

Todo bom enófilo tem ou gostaria de ter um decanter em casa. O decanter é esse utensílio mostrado na foto, que serve para dois motivos básicos: 1) para separar os sedimentos que se formam nos vinhos mais antigos, deixando-os na garrafa e transferindo somente o líquido para o decanter e 2) para aerar o vinho e ativá-lo mais rapidamente.

O primeiro motivo é totalmente justificável e basta você ter a oportunidade (ou a sorte) de beber um grande vinho que tenha por exemplo uns 30 anos de idade que verá que no fundo de sua garrafa formaram-se alguns cristais, que por sinal, não são nenhum sinal de deterioração e muito menos são nocivos. Só não são agradáveis de engolir junto com aquele vinho tão especial, por isso separamos.

decanterJá para a segunda opção é que surgem as opiniões mais controversas. Mas antes de falar sobre as opiniões, vamos explicar tecnicamente. Como podem ver, o decanter tem seu sua base mais larga. A idéia é que haja uma maior superfície de contato do vinho com o ar. Se compararmos à largura de uma garrafa, comprovamos imediatamente que isso é verdade e que então há mais contato com o ar mesmo. Esse contato é que faz o vinho “evoluir”, ou seja, melhorar seus aromas e apresentar alguns outros que poderiam aparecer só depois de algum tempo.

Mas aí é que entra a polêmica. Enquanto alguns dizem que isso realmente ajuda um vinho a se desenvolver mais rapidamente, outros se baseiam até em pesquisas para comprovar que o ganho em qualidade de aromas é praticamente insignificante, ou seja, desnecessário o uso do tão desejado decanter.

E aí, o que fazer? Decantar ou não decantar? Eis a questão crucial que todo bom bebedor de vinho se faz um dia.

E qual a resposta?

Bem, pra mim, sinceramente, o que vale é o momento. Eu tenho meu decanter em minha casa e utilizo sempre que me parece uma boa ocasião. No fundo eu acredito que não haveria muita diferença se eu deixasse a garrafa aberta uma ou duas horas antes de começar a beber.

Ou seja, minha sugestão é que você faça como preferir e decante sim sempre que achar necessário ou oportuno. Só saiba que não é porque ficou no decanter que o vinho vai apresentar aquele aroma espetacular que você gostaria.

 Não existe mágica, mas que é bonito de se ver o vinho lá, isso ninguém pode negar!

Um abraço

Daniel Perches

*Essa matéria foi publicada também no portal Itu.com.br (veja aqui) e no Jornal Bleh! (veja aqui)

You Might Also Like

7 Comentários

  1. 1

    É como disse, na esmagadora maioria dos vinhos o dacanter é peça decorativa e em alguns casos até instrumento errado na mãos de ecochatos.

    Eu geralmente decanto os brancos e tintos fechados (aromas e gosto que não são o esperado na hora de abrir o vinho).

    Ou aqueles mais encorpados que estão na garrafa há um ou dois pares de anos.

  2. 2

    Gde Daniel,

    Eu particularamente gosto de decantar os vinhos mais alcóolicos, encorpados, pela minha experiência ajuda a curtir melhor os nuances do vinho.

    Parece que no processo o álcool “some” um pouco e o vinho fica mais agradável…

    Mais legal mesmo é beber uma taça sem Decanter e outra com Decanter e procurar diferenças… Numa degustação as cegas é muito legal!!!

    Forte Abraço!

  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 7

    Fala Eduardo
    Sem problemas. O que importa é a companhia! O Ferreirinha fica para uma próxima! 🙂
    Estou separando um bom vinho para bebermos também.
    Um abraço
    Daniel

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>