A arte da sabrada

Champ_sword3_595Reza a lenda que a sabrada foi “criada” pelo exército de Napoleão, que não tinha abridores (ou não queriam usá-los).

Os soldados então, ao final das batalhas, abriam as garrafas de espumantes (champagnes, nesse caso), com a baioneta de suas espingardas.

Nasceu assim a tão cultuada “sabrada”. Há muitos anos eu fui numa degustação da Miolo, onde o Fábio Miolo abriu um espumante com um sabre. Eu nem me interessava por vinhos (muito menos por espumantes) e estava lá só por conta do meu pai, mas quando vi aquele espetáculo, fiquei maravilhado.

E o melhor de tudo: o Fábio garantiu que dava pra beber e ele mesmo bebeu a primeira taça. Pronto! Nascia aí – provavelmente – o meu amor por vinhos.

Estive no Sul no começo do ano visitando as vinícolas e comprei um sabre pra mim. Aprendi a abrir e já fiz várias demonstrações. É fantástico. Confesso que ainda me dá uma adrenalina a cada vez que vou abrir e sempre tenho que lembrar como se faz, mas imagino que em algum tempo, e algumas sabradas, eu já farei isso com mais naturalidade.

Quem ainda não viu e principalmente não tentou, vale a pena. É uma emoção! Não me sinto como se estivesse na Revolução Francesa, mas confesso que sinto-me um “guerreiro”.

Não sei se teria coragem de fazer com uma Don Perignon, mas vale a pena treinar com algumas mais em conta.

Abraços

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>